Home » Colaborações » VIRIDIANA

VIRIDIANA

(Roberto Delmanto)

 

Esse é o nome de um dos melhores e mais intrigantes filmes de Luis Buñuel.

Trata-se da história de uma jovem órfã que mora em um convento. Noviça, está próxima a tornar-se freira.

Seu único parente, um tio muito rico, manda buscá-la; adoentado, diz precisar dos cuidados dela. Viridiana se desilude com a madre superiora, pois não quer abandonar sua vocação, mas percebe que o tio, em virtude das grandes doações que faz ao convento, tem sua vontade acatada.

Na mansão do tio, que fica no campo, tem outra desilusão, desta vez com ele, quando tenta abusar sexualmente dela. O tio se desculpa e ela o perdoa.

Depois de pouco tempo, ele vem a falecer, deixando sua herança para Viridiana e um primo seu.

Este, moço materialista, de vida livre e mundana, muda-se para a mansão, que passa a ser ocupada por ele e Viridiana.

Enquanto o primo torna-se amante da governanta da casa e tenta seduzir Viridiana, esta o rejeita e passa a fazer intensa caridade. Vai recolhendo os mendigos das ruas e os instala em um anexo da casa, dando-lhes tudo: cama, comida, roupa limpa e lavada, além de pequenos trabalhos remunerados na propriedade, tentando resgatar-lhes a dignidade.

Certa manhã, Viridiana vai à cidade com o primo para assinar documentos da herança, ficando de voltar só no outro dia.

Na sua ausência, os antigos mendigos invadem a casa principal: furtam objetos, tomam as bebidas mais caras, preparam uma grande refeição e sentam-se na mesa principal com a melhor toalha e os mais finos pratos e copos. Muitos se embebedam, e a algazarra torna-se geral.

O compromisso de Viridiana é adiado e ela volta à casa no mesmo dia, à noite, encontrando-a praticamente depredada. Um dos ex-mendigos tenta estuprá-la, só não conseguindo porque o primo chega a tempo, impedindo-o.

Viridiana, desistindo de fazer caridade, continua a morar na mansão com o primo. Na cena final, ao abrir a porta de um quarto, ela encontra a governanta e o primo conversando de forma intimista. O primo a convida a entrar e se sentar com eles. Viridiana aceita e entra.

O filme, ao tratar da ingratidão e da insuficiência da caridade, apesar de seu valor transcendental, para diminuir a desigualdade social, talvez possa explicar porque as manifestações em protesto contra a prisão do ex-Presidente Lula têm sido relativamente tão pouco numerosas para quem, na presidência da República, tanto fez pelos menos favorecidos…

Um Comentário sobre “VIRIDIANA”

  1. Tales Castelo Branco disse:

    Parabéns ROBERTO DELMANTO por indicar o filme e concluir de forma muito inteligente.

Deixe um comentário, se quiser.

E