A   CAVEIRA DE BURRO E A LEITOA

 (Roberto Delmanto)

 

A advocacia criminal tem suas particularidades.

Há causas, muitas vezes complexas e relativas a acusados que não são inocentes, em que tudo dá certo, ou seja, é favorável a eles.

E outras, por vezes mais simples e referentes a acusados absolutamente inocentes, em que nada dá certo, com os pleitos da defesa sendo sempre rejeitados.

O saudoso Prof. Waldemar Ferreira, além de comercialista emérito, Catedrático de Direito Comercial do Largo de São Francisco e um dos líderes da Revolução Constitucionalista Paulista de 32, foi um notável advogado.

Segundo seu neto Sylvio Fernando Faria Júnior, querido amigo que também já nos deixou e que por muitos anos com ele trabalhou, em relação àqueles casos em que tudo dava errado, o Prof. Waldemar costumava brincar: “Aqui tem caveira de burro”, ou seja, fora feito contra seu constituinte algum trabalho

Nessas situações, só resta ao criminalista prosseguir na sua luta, lembrando sempre que seu verdadeiro cliente é a liberdade.

E, como escreveu o eminente advogado criminal Paulo Sérgio Leite Fernandes, em cartão enviado no Natal de 2012, navegar “até o último bordejar, mas sem perder a força…”

A advocacia cível, principalmente no interior, também tem histórias pitorescas.

A causa arrastava-se por mais de dois anos naquela pequena comarca do Estado de São Paulo. Quando os autos foram finalmente conclusos para sentença, o advogado do autor da ação apressou-se em dar ao cliente a boa noticia.

Este, caipira esperto, disse, então, que estava pensando em mandar uma leitoa de presente para o juiz. O advogado falou que não fizesse isso de jeito nenhum, pois o magistrado era pessoa honestíssima e seu gesto poderia prejudicar a ele próprio. Passados cerca de dois meses, o advogado comunicou-lhe que tinham ganho a demanda, acrescentando : “viu como foi bom você não mandar  a leitoa para o juiz”.Foi aí que o cliente, para sua surpresa, disse: “mas eu mandei”; e, após uma breve pausa, falou:” mandei no nome da parte contrária”…

Deixe um comentário, se quiser.

E