Home » Filmes Jurídicos » As Duas Faces de um Crime (Primal Fear)

As Duas Faces de um Crime (Primal Fear)

As Duas Faces de um Crime
(Primal Fear)

 

É filme de suspense, adaptação do bestseller de William Diehl. Richard Gere desempenha de forma galante e convincente o papel de Martin Vail, um advogado bem sucedido de Chicago que, em troca de publicidade, assume a defesa, “pro bono”, do coroinha Aaron Stampler (Edward Norton), acusado de assassinar de forma brutal seu benfeitor: o influente arcebispo.

A defesa parece impossível. O rapaz foi encontrado em fuga, com as roupas ainda manchadas de sangue. A acusação pede a pena de morte. Mas nada é impossível para Richard Gere. O advogado, ex-promotor público, cético quanto à justiça dos homens, não perde tempo com indagações sobre verdade, culpa ou inocência: busca, isso sim, confrontar toda evidência.

A personalidade do advogado diverte. Vail é extremamente vaidoso. Está acima de tudo e de todos. Seduz promotoras, dá entrevistas, luta com seu cliente no interior da própria cadeia e, de quebra, faz   investigações por conta própria.

Acostumado a estar sob holofotes e a lidar com a mídia, o advogado joga com a publicidade muito bem.   Perguntam-lhe, logo no início do filme:

“- E o que acha da verdade?

Vail responde: “- Como assim? Você acha que só existe uma? Só há uma que interessa: minha versão, a que elaboro na mente dos doze jurados. Se quiser pode dar outro nome: a ilusão da verdade”.

 Numa das cenas finais, já em momento de fraqueza, o advogado se propõe a responder à fatídica pergunta: Qual a razão para se defender alguém que se sabe culpado? Eis o que diz:

“- Acha que é pelo dinheiro, não é? Dinheiro é bom. Dinheiro é muito, muito bom. A primeira coisa que digo a um novo cliente é: Economizou alguma coisa para uma emergência? Pois é, você está numa emergência.

- Acha que é porque eu quero ver minha capa estampada na revista? Meus 15 segundos de fama? Eu adoro. Adoro essa droga. Sério mesmo.

- Mas, adivinha.

- Não é por nada disso. Vai à Las Vegas? Eu não vou a Vegas. E por que não vou? Por que jogar com dinheiro quando se pode jogar com a vida das pessoas? Brincadeira!

- Creio que as pessoas são inocentes até que se prove o contrário. Creio nisso porque escolhi acreditar na bondade das pessoas. Escolhi acreditar que nem todos os crimes são cometidos por gente má. Eu tento entender que algumas pessoas muito boas podem fazer coisas muito más”.

Disponível em VHS e DVD, o filme é cheio de clichês, mas é instigante em toda a duração (1h30min) e conta com a participação de ótimos atores. Edward Norton, no papel do coroinha, foi indicado para o Oscar de melhor ator coadjuvante. Frances McDormand, atriz que recebeu o Oscar de melhor atriz em 1996 pelo filme “Fargo”, faz o papel da psiquiatra.

Interessam em “As Duas Faces de um Crime”, sobretudo, os bastidores do processo criminal, as diversas interpretações da realidade e discussões de natureza ética. O filme toca em questões atuais, tais como a sexualidade dos padres, a corrupção, a intocabilidade do ministério público e a ética do advogado criminal. No final das contas, tudo e todos têm um outro lado a ser descoberto.   

Deixe um comentário, se quiser.

E