Home » Crônicas Esparsas » Casal gay vence o Club Athletico Paulistano?

Casal gay vence o Club Athletico Paulistano?

Paulo Sérgio Leite Fernandes*

Notícias postas hoje na internet e portanto absolutamente públicas mostram a fotografia de um casal gay, um deles sócio há muitos anos do tradicionalíssimo Club Athletico Paulistano e o outro ligado ao primeiro na chamada união estável. Promoveram ação judicial adequada a que o clube admitisse o companheiro na qualidade de dependente. O sócio pretendera autorização a tanto pelas vias normais, mas houve rejeição, porque o estatuto do clube não prevê a hipótese. Aquela centenária instituição tem estatuto social estabelecendo que a mancebia, ou acasalamento, se dá entre homem e mulher. Cuida-se, então, de opção ortodoxa, ou clássica, inexistindo modificação até o momento.

Não se conhece o teor da decisão judicial que dá, em 1° grau, vitória aos cônjuges, mas é preciso admitir que a Suprema Corte já delineou muito bem o assunto, reconhecendo como legítima a união homoafetiva entre homem com homem e mulher com mulher. Assim é, inexistindo possibilidade de insurgência a não ser com fundamento em hipótese de violação de preceitos éticos ou morais, realçando-se conduta inadequada aos bons costumes. Evidentemente, valendo aliás para ambos os sexos, tornar-se-ia muito difícil a aquiescência a uma frequência constituída por homem vestindo trajes sumários de mulher, ou vice-versa. A situação ficaria tragicômica. Exemplifique-se com cartunista cujo nome não importa, querendo ele, vestindo trajes do sexo oposto, entrar no banheiro feminino. Não o conseguiu, porque o dono do restaurante o impediu e as mulheres, com certeza, resmungariam bastante.

A modernidade leva à instituição de novos costumes, sendo de tal monta o avanço que a resistência é ineludivelmente vencida. Acabou-se. Faz parte, o exemplo, de um novo conceito universal quanto aos chamados direitos e garantias do cidadão. Em outros termos, lícito é aquilo que não é proibido. Embora constituindo assunto trepidante, o congresso sexual entre homem com homem e mulher com mulher, realçando-se o primeiro grupo, era costume implantado na Grécia socratiana, sem exceção na Roma dos césares. Falava-se na mulher, àquela altura, numa categoria subjacente, reservando-se aos homens os prazeres da carne. Cuidava-se, na chamada “Legião Sagrada”, de legionários lutando aos pares, protegendo-se mutuamente e morrendo juntos, se necessário fosse. Dentro de tal aspecto, surpresa hodierna não deveria haver. Mas houve e continua medrando pelos corredores da maledicência.

Tocante ao episódio do vetusto Club Atlhetico Paulistano, a questão extrapola a delimitação tradicional, sendo preciso analisar se o requisito ortodoxo entendido como união entre homem e mulher pode constituir lei interna a reger o comportamento dos associados. Em princípio não pode, valendo a hipótese de ofensa aos chamados direitos fundamentais do cidadão.

Há, na jurisprudência pátria, provocações assemelhadas. Houve candidato reprovado em concurso público por exibir tatuagem no corpo. A homossexualidade já serviu, em passado não muito distante, a se colocar em disponibilidade juiz tendente a tal opção. O Tribunal o aceitou depois.

A faceta científica ligada a tendências homossexuais é muito sedutora. O exame dos clássicos de medicina legal, aliás, traz a impressão de que a grande maioria cuidava do homossexualismo como anormalidade. Relembre-se Flamínio Fávero, entre outros. Não se pensa assim agora. Racionaliza-se a questão no sentido de cuidar-se pura e simplesmente de opção sexual, genética ou não, pouco importa, mas sempre uma escolha saudável.

A disputa entre o casal rebelde e o tradicional clube paulista há de evoluir em direção a graus mais altos da Jurisdição, ou cessa no meio do caminho, reconhecendo-se a legitimidade da pretensão. Em certo sentido valerão, por tabela, receios de extensão a outras hipóteses. Na verdade, as chamadas uniões estáveis têm hoje assimilação a uma forma mitigada de casamento, justificando-se então a pretensão ao agasalhamento no quadro social. Filhos, adotivos ou pertencentes a um dos cônjuges, receberão guarida do clube, mas por questões outras.

Vale a pena, ao fim, elogiar a tenacidade com que os moços querem ver suas pretensões avalizadas domesticamente pelo Club Athletico Paulistano. É claro que a grande maioria dos sócios absorverá aquilo que a princípio pareceria impactante. No fim das contas, levada a cobro a dissensão, haverá situações parecidas a incidente concretizado em torno de conhecido ator de telenovela visto em São Paulo jantando em restaurante grã-fino. Os comensais faziam de conta que ele não estava lá, até mesmo em preservação de seu recato. Um dos frequentadores, entretanto, fez questão de se levantar e cumprimentar aquela figura diferenciada, perguntando-lhe, a seguir, se estava incomodada com o reconhecimento. A resposta veio risonha e rápida: “– Ao contrário, faço questão!”. Já se vê que tudo pode ter um final feliz…

*Paulo Sérgio Leite Fernandes é advogado criminal em São Paulo há 52 anos.

Um Comentário sobre “Casal gay vence o Club Athletico Paulistano?”

  1. Jeferson Paz disse:

    Muito boa a decisão! A justiça foi feita. Vivemos durante seculos sendo colocados as margens de uma sociedade que, entre outros padrões hipocritas, acha toleravel o adultério masculino mas promiscua a relação homossexual só pelo fato de ela ser homossexual. Já está na hora de a sociedade aceitar a diversidade como uma realidade. Os LGBT não querem mais ficar no gueto. Querem poder ter uma vida normal, ter suas proprias familias, demonstrar afeto por seus parceiros, ter filhos.

Deixe um comentário, se quiser.

E