Home » Crônicas Esparsas.. » Pizzolato foi e não volta

Pizzolato foi e não volta

 Paulo Sérgio Leite Fernandes

Fui bom estudante de direito internacional. Não como o Ministro Cardoso. Segundo consta, ele foi dos melhores alunos na PUC de São Paulo. Alguém o dedou ajudando muito colega de classe, ao tempo. De qualquer forma, consta que o Brasil vai pedir a extradição de Pizzolato, preso ontem na Itália depois de se descobrir que usara, na viagem da Argentina ao país do “pão, amor e fantasia”, passaporte falso pertencente, lá atrás, a irmão morto e devidamente inumado. Houve consulta, aqui, a grandes internacionalistas, hábeis no uso de expressões como ex tunc e ex nunc, sendo preciso confessar que eu sempre faço confusão. Do meu lado, quando tenho problema envolvendo extradição, consulto o jardineiro Areovaldo. Não sei por quais cargas d’água ele se chama isso, pois é bisneto de capitão-do-mato, ágil, embora já com seus sessenta anos e aquelas pernas de cipó trançado a amedrontar todo PM invadindo a “Rocinha”, no Rio de Janeiro. Daí, chamei o Areovaldo. Ele descansou sobre o cabo da foice (usa aquilo teimosamente, embora tendo máquina de cortar grama):

– Ariovaldo, cê lê jornal todo dia?

– Sêo dotô, a neta lê pra mim, quando pode.

– Cê já ouviu falar no Pizzolato?

– Dotô, é aquele que fugiu pra Itália e tava chupando uva no meio dos monte, quando foi preso?

– É um deles, Valdo. Parece que usou o passaporte do irmão morto.

– Sei. Foi da Argentina que ele saiu, né? Entrou nas Europa com aquele negócio na mão. Passou batido. Mais o que o dotô qué sabê?

– Cê acha que a polícia brasileira pega ele lá?

– Que é isso dotô. Os carcamano prenderam ele pruquê tá com passaporte farso e ele é tamém daquela terra. Puxa cadeia lá, dotô! E fica pru lá, a num sê que a pulícia daqui pegue um daqueles jato apreendido de traficante e vá até lá clandestinamente, pegando o gajo no cangote e trazendo de volta, como fizeram cum aquele outro, um tal de PC Faria, mais isso foi num pedacinho perdido do mundo e num tempo em que tudo era possível. Num dá mais. Essa estória de extradição inventada pur aí é só pra boi drumi. O Pizzolati passa uns aperto lá, né? Mais sai. Vai funcioná assim.

 

Dito isto, Valdo enrolou um cigarro de palha, acendeu e foi roçar o resto do jardim.

Se for preciso, cedo o Areovaldo para um parecer ao Ministério da Justiça, tudo misturado com o das Relações Exteriores. Com certeza, meu heráldico descendente de um nobre africano pode contribuir muito para a solução de conflito tão hermético embora, para ele, não haja diferença entre o tunc e o nunc. No fim, dá na mesma, ele toma umas caçambadas no meio do caminho mas acaba pegando um sol gostoso naqueles vilarejos que me deixam muita saudade, principalmente os situados nas cercanias de Milão.

Deixe um comentário, se quiser.

E